terça-feira, 13 de junho de 2017

Profana-ação

Em uma rua qualquer
De uma cidade insana
Há um bordel
Em frente a uma igreja.
Basta atravessar a rua
Para adentrar
Num antro de pecado,
Devassidão e corrupção
De valores.
Atravesse de volta
E tudo o que se tem
São mulheres vendedoras
Dos próprios sonhos despedaçados.
Glaucio Cardoso

12/06/17

sábado, 13 de maio de 2017

Palavras de um Preto Velho


“Sua benção, Vovô!”,
Eu pedi me ajoelhando,
Já não aguento mais
Viver penando
E descanso não ter jamais.”

“Trago o coração amargurado,
Revoltei-me contra Deus,
Mas me lanço aos vossos pés
Buscando os conselhos teus
Pra fugir do meu revés.”

Da fumaça de seu cachimbo
O velho soltou uma baforada,
No chão riscou um sinal
E falou com a face iluminada
De sabedoria ancestral:

“Fio, nêgo véio sabe é nada
Pra se fazê de aconselhado,
Mas divido com fio meu
O que a vida ensino
E esse véio não esqueceu.”

“O hômi vive agastado,
O tempo querendo mudar
Pelos caprichos seus
Sem parar pra atentar
Que o tempo é presente de Deus.”

“Fio, quando chega o inverno
E a dor abate o hômi
Quer encurtar o momento
Sem vê que dor que o consome
É que faz seu crescimento.”

“Quando a flores surgem
Enfeitando o seu caminho,
Do dia de amanhã se esquece,
Não lembra que tudo fenece
E que até as rosa tem espinho.”

“Fio, deixe de reclamação,
Não dê guarida pra tristeza
E não alimenta o desengano,
Pois tudo é certo na natureza
E obedece ao divino plano.”

“fio, óia a sabedoria do Pai:
Te deu dois zóio e duas mão,
Dois ouvido e uma boca só.
É tudo parte da criação
Pra evoluir e desatar os nó!”

Tem dois zóio pra enxergar,
Pra vê do mundo as beleza
E podê cantar de louvor,
Mas usa a boca pra espaiá tristeza
E esquece de pregar o amor.”

“fio, nas resmunga com essa boca,
Que ocê tem os ouvido
Pras estrela escuitá
E alevantá os caído
Que vive a suplicá.”

“Fio, quando pensar em pragueja,
Lembra dos estropiado
E ao invés de erva daninha
Lança mão no roçado
Prantando fruta e frôzinha!”

Enxuguei então minhas lágrimas
E vi essa grande verdade:
Que é preciso viver o Evangelho
Com humildade e simplicidade
E a sabedoria de um Preto Velho!


Glaucio Cardoso
12/05/17


terça-feira, 18 de abril de 2017

Soneto para o Livro Espírita


Originário nos desígnios celestiais,
Luminoso repositório do saber,
Instrumento a construir catedrais
Vigorosas no íntimo do ser.

Relicário do bem estampando o belo
Ostensório do carisma divino,
Engrandece e renova o homem velho
Soprando-lhe a pureza de um menino.

Poesia do evangelho para o dia a dia,
Irmanando os dois lados da criação
Religando a humanidade ao Criador.

Instrui com respeito e mansidão,
Transforma egoísta em semeador,
A espalhar paz e harmonia.

Glaucio Cardoso

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Passageira presença

Então você se foi,
e com tua partida
foram embora
todos os sorrisos
que ainda não tinhas dado.
E não são poucas
as vezes em que penso em você,
sem lamentações descabidas
por teres ido tão logo,
apenas com a saudade
das palavras que não dissemos,
dos abraços que não trocamos,
dos passeios que teríamos dado.
Recordo você em seu sono,
em seu leito branco,
e tudo o que lembro
são os passos que ainda darias,
os olhares que atrairias,
as estrelas que contaríamos juntos.
Sinto uma certeza
de que nossos caminhos
ainda vão se encruzilhar.
E aí, te contarei de meus caminhos
e tu me dirás dos teus.
E sorriremos juntos,
e passearemos,
e entre um abraço e outro
falaremos de pores-do-sol,
estrelas e arco-íris.
E quando nos despedirmos novamente,
teremos menos saudades
e muito mais lembranças.

Glaucio Cardoso
09/04/2017

Um poema que limpou-me de uma dorzinha antiga.

segunda-feira, 6 de março de 2017

Sinal verde

Pelos caminhos dessa vida
Muita gente boa se perdeu
Por não saber prestar atenção
Nas marcas de sinalização
Que o Pai a todos concedeu.

É um tal de querer pegar atalho,
Uma pressa louca insana
Que esquece que a vida humana
É feita passo a passo,
Que se origina no lodo, mas é destinada ao espaço.

Mas a humanidade enceguecida
Vai chafurdando no orgulho
E em atropelo de pensamentos
Junta na alma tanto entulho
Que turvam nobres sentimentos.

Mesmo o homem sendo falho
É possível acertar na estrada,
Praticar o amor sem displicência,
Pois em nossa consciência
A lei universal foi gravada.

Segue o rumo sem titubeio,
Há faróis que te apontam como seguir,
Basta que atentes sempre aos sinais.
Vá firme vislumbrando o porvir
E assim avançarás cada vez mais.
Glaucio Cardoso

06/03/2017

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017



Nos obstáculos do dia a dia
A Fé é a Esperança atuante
Que tudo produz e que impulsiona
O homem em sua jornada.

Quando as calamidades se avolumam
Esmagando os sonhos,
A Fé é a certeza que sobrevive
Em meio ao desespero.

Neste mundo tão cheio de entraves,
A Fé são duas letras
Que apontam pro infinito.

A Fé é o Amor que não vê limites.

A Fé é uma semente
Que o Altíssimo plantou
Em nossos corações
Pra ser regada com o suor do trabalho
E adubada com o amor em ação.

Nos momentos vacilantes
Em que perdemos a Fé em Deus,
Ele nos sustenta com bondade,
Pois não perde a Fé em nós.
Glaucio Cardoso
04/01/2017