segunda-feira, 3 de julho de 2017

Asas no tempo


Para a Abrarte em seus 10 anos
Um sonho sonhado sozinho,
No íntimo de um coração poeta,
É como poeira ao vento,
Se espalha, mas não se completa.
Sonho pra ser bem sonhado,
De jeito que vire realidade,
Tem que ser compartilhado.

Da lagarta o sonho se fez,
De galgar altos céus,
Vislumbrando horizontes sem fim,
Veio rolando por tempos e espaços
Se encasulando pra desabrochar,
Abrindo e batendo suas asas
Na ânsia do belo voar.
E esse sonho foi se espalhando,
Fazendo morada em outros irmãos
Que foram se achegando
No trabalho de múltiplas mãos.

Mas ainda há que sonhar,
Vem, abre teus braços
E recebe essa sinergia,
Que uma cabeça só é pouca
Pra esse sonho realizar.
Pois há luzes de toda parte
Chegando cada vez mais
Pra se reunir,
Pra se fortalecer
E então frutificar.

Sonhadores de tantos lugares,
Artistas de tantos sonhares,
Abram os braços,
Estendam suas asas
E vamos sonhar outros ares!
Glaucio Cardoso

Maio/2017

Um comentário:

  1. A poesia traz na alma um encanto. Preenche um vazio em mil acalantos.

    ResponderExcluir