terça-feira, 30 de novembro de 2010

Fernando Pessoa: 75 anos de eternidade

     No dia 30 de novembro de 1935, falecia o poeta português Fernando Pessoa, genial criador dos heterônimos e um dos maiores escritores da história. Para lembrar os 75 anos de sua eternização, trago um poema que fiz para dialogar com o autor de Autopsicografia e que se encontra na coletânea "De Pessoa para Pessoa" (Ed. Litteris).


Pessoalmente falando
Meu coração
Comboio do imaginário sentir
Que por minhas mãos
Impõe-se à realidade
Dividido entre ter a razão
E não me pertencer.
Fingimento-verdade
Em completo e profundo
Movimento de ir
Em busca do não visto
E vivido.
Vivência alheia,
Outramento mimético do mimesmo,
Rodopio radical,
Racional...
Quem me lê
Não me vê,
Sente em si
Minha vida
Como sua.

Nenhum comentário:

Postar um comentário